Jayla Venancio

Greenleaf: saiu a 3ª temporada na Netflix!

06:00:00


Advinha quem surtou com a novidade da netflix?
Isso mesmo, euzinha aqui! 
Apaixonada que sou por séries de protagonismo negro, PIREI com a nova temporada de Greenleaf. 

ATENÇÃO, contém spoilers!
(Se você não conhece a série ainda, clique aqui e leia um pouco sobre ela.)

   Pra começar, quero comentar da agilidade da Netflix com os contratinhos com a produtora de Greenleaf. No mesmo dia em que o "grand finale" foi passado na TV norte-americana, em questão de minutos, foi atualizada na Netflix, com dublagem impecável ainda! Quanta eficiência!


   A segunda temporada tinha terminado com aquela incógnita quanto á Zora e seu envolvimento com o adolescente mimado agressor de mulheres. Pois bem, o primeiro episódio se inicia tratando disso: a fuga de Zora e o quanto isso afetou a família. 


   Zora foi encontrada pelo seu pai, o pastor da Trump Jacob Greenleaf, e desde então passou vários episódios planejando sua fuga com o agressor ao completar 18 anos, ja que entendia que nada iria lhe impedir por se tornar maior de idade. 

   Uma das coisas nas quais mais amo em Greenleaf é o fato de não romantizar situações cotidianas na vida de qualquer indivíduo. Como por exemplo, a rebeldia e ingenuidade de uma adolescente apaixonada.
Pois bem, cumprindo seu alto nível de qualidade quanto aos roteiros, a série mais uma vez tomou cuidado ao não romantizar a paixão de Zora e o agressor. 

   A começar pelo fato de passar o recado de que agressor de mulheres pode ser qualquer um, inclusive um adolescente de 18 anos, cantor, influenciador de mídias e bonitinho. 
   Avançamos para a questão de que nem sofrendo abuso, Zora reconheceu que era vítima de violência doméstica e de um relacionamento abusivo. E cá entre nós, entre todos os membros da família Greenleaf, Zora desde o primeiro episódio tem se mostrado a menos conservadora e mais consciente de temas relacionados ao feminismo. Zora insistiu na ideia de que "isso é complicado", "ele é diferente", "as coisas são diferentes", "ninguém entende", e ao completar seus 18 anos, fugiu.


   O que nos leva ao segundo tema levantado na série: educação rígida.
Zora recebeu a melhor educação que pode ter. Porém, ao fugir e retornar á força para seu lar, seus pais lhe aplicaram uma educação absurdamente rígida, tomando todos os eletrônicos, e lhe privando de ter contato com o mundo externo. Isso não foi o suficiente para lhe impedir de manter contato com a sua paixão, vulgo agressor de mulheres.

   Como se não bastasse, Zora foi morar com sua avó, Lady Mae Greenleaf, na qual aplicava um regime bem mais rígido, desde orações e estudos bíblicos as 5h da manhã, até privações de saídas inclusive com sua própria mãe. Nada disso foi o suficiente para educar Zora e lhe convencer do que era o melhor para ela. O que nos ensina uma lição: criamos crianças para o mundo, e não para nós. 


   Zora fugiu. E depois de semanas vivendo com o agressor, percebeu que vivia de fato um relacionamento abusivo. Foi necessário passar por isso para compreender o mundo que lhe rodeava.

Então Zora retornou ao lar dos seus pais. E posso dizer, que coisa linda o roteiro trabalhado em cima de Zora!

   Aliás, a terceira temporada toda se focou nos personagens secundários e tirou o foco de Grace, a principal. O que foi maravilhoso, pois havia histórias ali ainda não trabalhadas. Como a de Mae Green e Bispo James.Ambos cometeram erros no passado. Ambos se trairam no passado. E carregaram essa mágoa ao longo dos anos, apenas para preservar a imagem de casal perfeito perante os membros da igreja. 


   Na terceira temporada, eles de fato se separam, com a forte ameaça da personagem Rochelle que se dedica a terminar com toda a família como vingança. Passei a temporada inteira esperando qualquer recaída do Bispo com a Rochelle, mas não teve para minha surpresa (mas foi quase!).


   O interessante é que a Mae Green resolve se dedicar á sua independência. Relembra de seus sonhos antes de se casar, e decide assumir a presidência pastoral da igreja. E é aí, que o nosso casal mais odiado passa a temporada inteira brigando para tomar o controle da igreja. Tudo se torna muito mais interessante!


   Atenção especial á Sophia Greenleaf, que segue firme em sua intimidade com Deus, no entanto vivencia um dos seus piores momentos em sua vida: fica estéril. 


   Isso, momentos depois de compartilhar com Grace seu sonho de ser mãe. O que entristece nossos corações, claro.E é a partir dai, que Sophia passa a temporada questionando questionando a existência de Deus, deprimida e se perguntando qual o propósito de sua vida. Acredito, que na quarta temporada teremos surpresas maravilhosas quanto a nossa querida Sophia!
Por fim, quero declarar minha completa satisfação com Greenleaf. Como sempre, cumpre com seu propósito em agradar seu público e nos deixar mais ainda apaixonados!
Espero ansiosa pela quarta temporada! 



Leia Também:

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Facebook