REVIEW DE SÉRIE- Girlboss


Olá leitores e seriadores! Tudo bem?  Hoje trago minha primeira Review de serie, era para ser um Primeiras Impressões, mas acabei assistindo toda temporada em dia, e dai não é mais um primeiras impressões né? Então segue minha Review do lançamento da Netflix: GIRLBOSS.


Dia 21 estreou na Netflix a série Girlboss, inspirada no livro com o mesmo nome que conta a história de Sophia Amoruso. Sophia é criadora da Nasty Gal, uma loja de roupas Vintage que surgiu no e-bay, se tornou uma loja online e chegou a ter duas lojas físicas em Los Angeles, em apenas 7 anos de história. Nasty Gal faturou em torno de US$ 300 milhões em vendas, segundo a revista “Forbes” e a loja era super conhecida contando com clientes famosas como Lena Dunham e Kendall Jenner. No final de 2016 Nasty Gal acabou entrando com um pedido de falência, mas quando ainda estava no auge em 2014, Sophia lançou esse livro que inspirou a série. Logo no inicio dos episódios temos um aviso: “A seguir, uma releitura livre de eventos verdadeiros. Muito livre”, então podemos imaginar que a série é uma versão mais "colorida" e "exagerada" dos acontecimentos, como não li o livro ainda fiquei com vontade de ler ele para descobrir quais as diferenças.

 São treze episódios de menos de 30 minutos cada, comecei assistir para trazer um post de Primeiras Impressões, mas, não consegui parar e acabei vendo toda temporada no mesmo dia. A Série me conquistou nos primeiros minutos com o discurso:

"A vida adulta é aonde os sonhos vão para morrer. Cresça, arrume um emprego, vire um robô. E isso. Depois acabou. A sociedade só quer colocar todos em uma caixa. Bom, sabe de uma coisa, sociedade? Não existe caixa. Se achasse que passaria o resto da minha vida como uma engrenagem irracional em uma máquina, juro, eu faria uma tatuagem na cara dizendo: "Sério, cara?". Só preciso descobrir um jeito de crescer sem me tornar uma adulta chata."

Esse discurso fez com que eu me identificasse logo de cara, pois alguns anos atrás era exatamente o que eu pensava, - tá até hoje eu penso - e acho que a maioria dos jovens hoje em dia pensam assim: Como crescer sem se tornar um adulto chato. Como crescer mas continuar com sua criança interior. Crescer e ser adulto talvez não tenha que ser tão chato. Somos uma geração diferente de nossos avós, de nossos pais, muitos de nós não buscam a felicidade em um emprego fixo - chato - para seguir aquela ordem de: Trabalhar, Casar, Formar uma Família e morrer. Tem que ter algo entre isso certo? Bom, antes que me alongue nesses devaneios, voltando a questão da série...


A Série começa em 2006 - mesmo que pareça ser uma época mais antiga - e naquela época negócios pela internet não eram tão comuns quanto hoje, então vemos uma menina que começou algo literalmente do nada e inovou tudo! Além de todo esse clima de: 'Vá atrás dos seus sonhos', 'crescer não precisa ser tão chato' GirlBoss é GIRL POWER total! Desde a produção cheia de mulheres envolvidas, o nome do seriado, as personagens totalmente empoderadas, tomando as rédeas das situações, esse empoderamento com certeza transbordou as telinhas e acredito que tenha inspirado várias meninas por ai. Apesar disso a série não chega a ser impactante, a trama tem muitos clichês e acho que em alguns momentos focou muito no romance e os momentos de profundidade são um pouco rasos. Gostaria que tivessem explorado mais a questão dela com os pais, e que os diálogos em alguns momentos fossem mais profundos.

Sobre as atuações Britt Robertson parece realmente ter se entregado a personagem e sua atuação é totalmente diferente de seus outros trabalhos e nesse ela consegue passar todas as fases da personagem, a personagem sofre um crescimento e amadurecimento enorme e em todos momentos a personagem era bem representada pela Britt. Os personagens secundários e as participações também foram feitas com maestria e a interação dos personagens é algo muito legal e bem estabelecido, todos personagens dão um toque especial para série e fazem a diferença. O Elenco está sensacional! A fotografia da série está maravilhosa, cheia de cores e tudo tão vivo, sério é um show a parte a fotografia e me lembrou bastante a fotografia de Umbreakable Kimmy Schmidt. Outra coisa que merece ser mencionada é a trilha sonora, eu em vários momentos pausei para ligar o Shazam e descobrir qual era a música que estava tocando!


A Série está longe de ser perfeita, muitos criticam as atitudes de Sophia, e realmente mesmo que seja inspirador o fato de "vamos fazer o que gostamos, seguir nossos sonhos, não se tornar um adulto chat", fica o questionamento de o que é certo e errado? Até onde podemos ir para isso? Sophia era uma menina rebelde, mimada e totalmente irresponsável, roubo, assedio moral, humilhação são coisas que vemos Sophia fazer e achamos "legal", e normalizar essas atitudes ou aceitar pois ela conseguiu seu objetivo não é o certo. Mas não podemos negar que a série serve bem a seu propósito que é o entretenimento. É muito gostosa de se ver, talvez inspiradora para algumas pessoas, com referencias nostálgicas - o que foi aquela referencia a morte da Marissa em The OC, sobre o TOP 8 do Myspace? Ou até mesmo o término de Britney Spears e Justin Timberlake -, com certeza você vai dar risada, você vai odiar a Sophia, vai amar a Sophia, vai sorrir e vai pensar sobre sobre seus sonhos e quem sabe mudar um pouco a sua vida.

Quero a 2ª temporada! Vamos confirmar Netflix?



2 comentários:

  1. ainda nao vi toda a serie, mas estou gostando.
    dose-of-poetry.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Quero muito assistir a essa serie, vejo muitos comentários positivos sobre essa serie, e li algumas coisas sobre a historia da Sophia, mas quero conhecer melhor, acho a historia dela inspiradora, pois ela começa um negocio que não tinha espaço naquela época e consegue crescer e fazer dar certo, quero muito conhecer essa historia !!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.