RESENHA - TOCados

Olá leitores! Tudo bem? 
Hoje eu venho com a resenha do livro TOCados, que recebi em parceria com a Sândalo. 
Título: TOCados 
Autora: Katherine Salles 
Número de Páginas: 280
Editora: Sândalo 
Fanpage: Curta 


“Mas, ela estava oca, já não sentia mais nada.”


Meu primeiro contato com TOCados foi em um grupo literário. A Katherine fez uma postagem falando sobre o seu livro, assim como tantos escritores fazem, mas, o livro dela em especial me chamou atenção.

Amei o fato do livro falar sobre TOC, estou escrevendo um conto em que a personagem principal tem TOC, e é bom achar mais uma fonte de pesquisa. Quanto mais relatos, melhor. A história se torna bem mais real.

Falando em real, eu amo personagens que sejam reais. E já disse isso aqui várias vezes. Deve ser por isso que amo tanto livros em que há pessoas com doenças da mente, pessoas complicadas, pessoas imperfeitas, pessoas errantes, pessoas como eu ou você. É bom ler algo que seja real, que você vê que isso pode acontecer na vida, pode acontecer lá com um homem do Japão, ou com o carinha que mora na esquina.

Amo isso por que me dá um certo tipo de esperança, a vida, ás vezes, é tão dura, cruel, difícil e é maravilhoso ver que, ela pode ser tão amável. Livros realistas nos proporcionam isso. Não vou ser hipócrita a ponto de dizer que só amo livros assim, me encantam os contos de fadas. Me encantaria dançar com o príncipe encantado e fugir a meia noite. Ou dar uma bela mordida na suculenta maçã envenenada e ser acordada por um beijo de amor.  Mas, melhor ainda são as histórias da realidade, essas sim têm o melhor sabor.

Em TOCados Katherine nos conta uma história assim. Conhecemos Kate e Benjamim, ambos tem TOC. São dois opostos (e na verdade, não tão opostos assim), que se atraem. Como eles mesmo se definem, Kate é o Caos e Benjamim é a ordem. Isso pode dar certo?

Me apaixonei por TOCados desde a sinopse. Me encantei por cada palavra, por cada linha, por cada parágrafo... e assim por diante. Ele entrou para os meus preferidos desse gênero, junto com Garotas de Vidro, Willow, Passarinha e outros. E o melhor é que esse é o primeiro nacional da lista de sick-lits favoritos!

Fiquei procurando uma expressão pra definir esse livro, procurei, procurei e procurei. Virei meu dicionário mental de ponta cabeça, li e reli todos os verbetes e só encontrei uma definição: uma perfeição imperfeita. Será que isso tem algum sentido?

Como toda perfeição imperfeita há alguns pontos negativos: o primeiro é que tem muitos personagens e eu acabei ficando muito perdida no começo, foi difícil entender quem era quem. Outro ponto é que á alguns erros de revisão. Erros de digitação, de concordância e ortográficos, mas, nada muito assombroso. E o terceiro e último foi a capa do livro. Eu amei a arte da capa do livro, mas, não gostei de como ela foi produzida. A capa é envolta por tipo um contact e isso é ruim, por que se você espirra algum líquido na capa, sem querer, ele não dá a oportunidade do livro secar. Na verdade, escorre pela capa e mancha a tinta. Isso aconteceu com o meu exemplar.

Foto tirada pela blogueira. Instagram @dreamsebooks
Um ponto forte do livro é que há nele, alguns depoimentos de pessoas que tem TOC. São emocionantes e nos fazem refletir.

Na verdade, o livro todo nos faz refletir. Nos coloca na pele de uma pessoa que tem TOC e é tão doloroso! É tão triste ter essa doença. Sim, uma doença. Nada de frescura ou coisa de gente com mente vazia. Na verdade, eles têm a mente cheia até demais.

Nos faz ver a doença como um todo e suas várias facetas. Já ouvi de muitas bocas, a definição de TOC como “mania de limpeza”. E não, não é apenas isso. Têm muito mais rituais envolvidos.

Eu realmente amei TOCados e, como já disse, entrou pra mina lista de favoritos! E sim, eu recomendo. É um livro que mudará a vida de muitas pessoas.

A forma de escrever da autora é linda. Flui rápido e te apaixonada e encanta. Eu me vi devorando capítulo por capítulo sem parar pra tomar ar. Os personagens são incríveis e muito bem construídos. Me apaixonei por Benjamim e confesso que, houve alguns momentos em que detestei a Kate. Amei e me divertir muito com as “meninas de ouro”, torci pela doutora Frida e fiquei louca para ler os escritos da Janaína. Enfim, me apeguei a esses e a todos os outros personagens.

Com certeza é um livro que sempre vou lembrar com muito carinho e que, de vez em quando, vou ter o prazer de reler. Aproveito para recomendá-lo. 

O adicione a sua lista de leituras. É realmente necessário. Permita-se ser tocado por esse livro! 

"Essa é a pior luta que pode haver: você contra você mesmo."
Tecnologia do Blogger.