RESENHA - Eu, Alex Cross

 Acredito que eu seja um dos maiores fãs de leituras rápidas, aquelas leituras que fazemos em um dia ou no máximo dois dependendo do nível de preguiça, e Eu, Alex Cross se encaixa perfeitamente neste tipo de leitura. Confesso que demorei mais tempo do que imaginava mas no momento me encontro perdido entre diversos livros e estou lendo muitos pela metade, ou seja: confusão mental na certa.

Sinopse: Numa noite de festa, Alex Cross recebe uma notícia chocante O detetive está comemorando seu aniversário quando atende a um telefonema informando que sua sobrinha, Caroline Cross, foi brutalmente assassinada. Ele jura que vai capturar o criminoso e logo descobre que Caroline estava envolvida com prostituição e não foi a única vítima. Garotas de um clube privativo desaparecem misteriosamente Atrás de pistas do assassino, Alex e a namorada, a detetive Brianna Stone, vão a um lugar onde é possível realizar qualquer fantasia, desde que se conheçam as pessoas certas para entrar. É lá que um homem misterioso e de gosto excêntrico, autodenominado Zeus, sacia seus desejos. Um mistério que pode abalar o mundo Alex e Bree percebem que terão que enfrentar figuras muito importantes, perigosas e bem protegidas, das mais altas esferas da sociedade. E uma coisa é certa: elas farão de tudo para manter seus segredos.
Capa nacional

 Rápida e atraente a leitura de Eu, Alex Cross me prendeu bastante. Tudo bem que não foi algo do nível Dan Brown ou Agatha Christie, mas para o tipo de leitura que eu esperava, realmente me surpreendeu, ao ponto de dar aquela procrastinadazinha básica no final, só para fazer a leitura render um pouco mais.
 O detetive Alex Cross se encontra numa situação um tanto delicada e incomum: sua sobrinha foi friamente assassinada e brutalmente mutilada numa máquina de triturar madeira, ficando completamente irreconhecível.
 A trama se desenrola de maneira surpreendente, Alex chega ao codinome Zeus, o suposto responsável pela morte de sua sobrinha e de mais outras pessoas, e descobre que Zeus é alguém ligado diretamente à elite dos Estados Unidos, quem sabe até mesmo ligado à própria Casa Branca? A cada segundo a busca fica cada vez mais complicada para ele, que vê seus suspeitos e possíveis ligações com o culpado serem eliminados. Será que Alex conseguirá encontrar o culpado?


"Cerca de uma hora depois, eu ainda estava olhando para o teto, ruminando a pergunta que vinha me consumindo desde que tínhamos saído de Richmond: Por quê? Por que aquilo tinha acontecido? Por que com Caroline? Por que um maldito triturador de madeira? Por que restos em vez de um corpo?"

 Não bastasse a dificuldade do crime e os acontecimentos algo acontece em seu nicho familiar, algo que abala o detetive e o tira noites de sono: Regina (Nana), sua avó está com um grave problema de coração e isso o desestrutura.

 Eu, Alex Cross pode não ser o maior e mais complexo livro de ação que li, mas tem seu 'charme'. Outra vantagem é que ele pertence a uma série (que eu, vergonhosamente falando, li apenas esse, e não sei sequer a ordem que devem ser lidos), ou seja, caso goste ainda haverão mais e mais livros da série para serem lidos, ou seja, uma boa escolha para quem gosta de acompanhar séries.


INFORMAÇÕES
Páginas: 224
Autor: James Patterson
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580410334

Tecnologia do Blogger.