RESENHA - Garotas de Vidro



Olá, leitores!
Essa é a primeira resenha do D&B, espero que gostem! :)

TÍtulo: Garotas de Vidro
Título original: Wintergirls
Número de páginas: 272
Editora: Novo Conceito
Autora: Laurie Halse Anderson

“Nós nos transformamos nas garotas geladas e, quando ela tentou ir embora, eu a puxei de volta para a neve porque estava com medo de ficar sozinha.”

Lia podia ser uma menina como quaisquer outras, porém, ela vive no mundo dos ossos, Lia tem anorexia. Já foi internada em uma clínica de reabilitação e depois que saiu de lá, deixou a casa de sua mãe- uma cardiologista que nunca tem tempo para a filha- e foi morar com o seu pai, sua madrasta e sua irmãzinha Emma.

 O tratamento mudou o peso de Lia, todavia, não a sua mente, e ela está determinada a voltar a seu peso anterior de 38 quilos.
Sua determinação aumenta junto com a culpa, quando sua ex melhor amiga, Cassie, aparece morta em um motel.

 Foi com ela que tudo isso começou, por meio de uma aposta entre as duas, para ver quem seria a mais magra, e acabou se tornando um pesadelo. Cassie desenvolveu  bulimia(ato de comer descontroladamente e em seguida pôr tudo para fora, seja com laxantes ou por induzir vômito), e Lia desenvolveu anorexia (ato de se privar de comida para emagrecer).

 As duas simplesmente não conseguiam parar e quando uma tentava descongelar a outra estava ali para garantir que isso não fosse possível.

 E foi longe demais, Cassie morreu, porém, antes disso, ligou 33 vezes para Lia. Trinta e três. E ela não atendeu.

…ela ligou.
trinta e três vezes.

você não atendeu.

corpo encontrado em um quarto de motel, sozinho.

você a deixou sozinha.

deveria deveria deveria ter feito algumaqualquercoisa.
você a matou.”

 Elas não estavam se falando mais e Lia não sabia o porquê de Cassie ter ligado tantas vezes. Isso é um mistério que a atormenta, até aparecer Elijah, um menino que trabalha no motel e tem a resposta.

 Depois da morte de Cassie, a anorexia de Lia se descontrola com uma força imensa, afinal, transtornos alimentares não são curados e sim controlados, dessa forma, podem voltar a qualquer momento.  

Lia vê-se novamente deixando de comer, burlando os acompanhamentos frequentes de seu peso feitos por sua madrasta, mentindo, enganando...

Ela segue de uma forma cada vez mais intensa por esse caminho, que para muitos, como no caso de Cassie, não tem volta. No entanto, ela não se importa com isso, a única coisa importante, o seu único objetivo é se livrar de toda aquela gordura nojenta que habita seu corpo a tornando-o  imensamente gordo, apesar dela não existir.

“A verdade nem sempre é o que enxergamos.”


 Eu classificaria Garotas de Vidro como intenso, forte, perturbador. 

 É terrivelmente perturbador e vai  te assombrar por vários dias e noites. Mas, não de uma forma ruim e sim, maravilhosa, te refletir. 

 Também é forte e intenso, por mostrar uma realidade que nos rodeia de uma forma tão nítida, sem rodeios, sem vírgulas, de uma forma bem objetiva.
E afinal, quantas Lias e Cassies não existem? Já estava mais do que na hora desse assunto ser abordado.

"Quando eu era uma garota de verdade, minha mãe me alimentava com seus sonhos de vidro, uma colherada por vez."

 A maneira de escrever da autora é de fato, maravilhosa e intensa, Laurie não precisou dizer que Lia se cortava ou que contava calorias, ela mostrou isso por meio de sua escrita.

 Um diferencial do livro é Lia passar uma linha por cima riscar seus pensamentos o tempo todo, mostrando assim um contraste entre o que ela pensa e o que ela deveria na verdade pensar.

Achei inapropriada a tradução do título, a meu ver, garotas geladas faz bem mais sentido, até para o final, quem ler o livro vai entender isso.

Por ser narrado em primeira pessoa, pode sentir que é a Lia, que você está com a barriga doendo de fome e não pode comer,  que você conta calorias o tempo todo, que você prepara o prato com sua comida favorita, sente o aroma, porém,  joga-a no lixo.

 Por 272 páginas você é uma garota gelada.
 Garotas de Vidro irá fazer com que reflita.

"A caixa se abre e as lâminas deslizam para baixo
e sussurram com voz doce."

 No caso de Lia e Cassie, o motivo foi uma aposta, porém,  a grande maioria das pessoas que desenvolvem distúrbios são por causa de algumas palavras que as ferem como espadas.

 Agredir uma pessoa seja física ou verbalmente é desprezível.
 Pergunte-se: Estou maltratando alguém  por ele ser simplesmente o que é?
Será que alguém já se automutilou, vomitou ou deixou de comer por causa de minhas palavras ou atitudes?

 Respeito e amor para com os outros são vitais. Tome cuidado com suas palavras, pois, algumas podem machucar alguém, outras no entanto, podem fazer com que alguém morra.

“Não existe cura mágica, nem como fazer tudo desaparecer para sempre. Existem apenas pequenos passos adiante;
um dia mais fácil, uma risada inesperada, um espelho que não importa mais."
Tecnologia do Blogger.